quinta-feira, 11 de junho de 2015

ZOOM


Imagine-a como Caetano a viu na fotografia, ainda coberta de nuvens,  acanhada, bela, dama de neve numa seda azul. Dê mais zoom e veja as ranhuras dos continentes, pássaros sobre o mar, o verde que surge a  desbotar o cinza da lente. Dê mais zoom e veja montanhas, um bioma perfeitamente equalizado, a cadeia cósmica da vida. Dê mais zoom e toque a água, beba-a, banhe-se nela. Dê mais zoom e sinta as cores, o cheiro das flores, a beleza de  cada bicho em seu lugar. Dê mais zoom e veja o Homem. Imagine-o parte disso tudo, como Lennon imaginou, e comece a pensar a Política a partir daí, dando zoom pra trás, até a seda azul.





(foto de satélite da NASA)



4 comentários:

  1. Vamos dando Zoom, e voltamos até nós mesmos flutuantes no meio do infinito! Bela proposta!

    ResponderExcluir
  2. Que bonito. Sempre penso em zoom para trás quando olho para o céu à noite, e me diminuo ao que de fato sou: um ponto microscópico sob o infinito. Ao mesmo tempo em que carrego o infinito comigo. Obrigada pelo texto, carregado de infinito! Beijo grande!

    ResponderExcluir
  3. Abraço carregado de infinito, amigos!

    ResponderExcluir

DELARTE - OBRAS PUBLICADAS:

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)
Clique nas imagens e adquira os livros pelo catálogo da Editora Patuá. Também podem ser encontrados nas Livrarias Cultura e Suburbano Convicto (SP).

CRAVOS DA NOITE (contos)

O Alien da Linha Azul (poesia)

O Alien da Linha Azul (poesia)
Aquisições com o autor ou no Bar & Livraria Patuscada