quinta-feira, 22 de agosto de 2013

DO ESQUECIMENTO


pensava...

... ah, sim: pensava se nosso cérebro pode comportar tantos dados jorrados indecorosamente por tantas e tantas mídias de informações, imagens e sons...
 
...  talvez nem fosse isso o que pensava, mas, ah!, como gostaria  de scanear o meu, extrair trojans, vírus e executáveis inúteis, desfragmentá-lo, não, formatá-lo de vez e criar duas unidades separadas para alojamento de todo este caos:

- uma para o sistema operacional da vida, 10%;

- outra para uso e abuso da lixeira(*1).


*1 - compartimento onde acumularia toda fórmula de felicidade e esvaziaria, diariamente, momentos antes de pregar a pálpebra(*2).

*2 - lençol de retina
para olhos rasos
de pijama


segunda-feira, 5 de agosto de 2013

?

?Para onde vão
os pés de Amarildo
quando o olho da noite não o vê?

?Cadê os lábios,
cadê o queixo de Amarildo?

?O joanete, aquele bico
de papagaio, a pinta
que só ela reconheceria
na calada do dia
na boca
no fumo
no beco da madrugada?

?O que fazem
os dedos de Amarildo?

?Serão setas? ?Buracos negros?
?Desenharão sóis na areia?

?Serão ossinhos
ou palitos de dentes
na fuça de um cão?

?Onde deita a retina da mulher
quando encontra nos olhos dos filhos
só a ausência do marido?

?Cadê Deus que não a escuta?

?O que será do crânio,
o que terá no peito de Amarildo?
?Três balas? ?Dois sonhos?


?Um vão?




DELARTE - OBRAS PUBLICADAS:

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)
Clique nas imagens e adquira os livros pelo catálogo da Editora Patuá. Também podem ser encontrados nas Livrarias Cultura e Suburbano Convicto (SP).

CRAVOS DA NOITE (contos)

O Alien da Linha Azul (poesia)

O Alien da Linha Azul (poesia)
Aquisições com o autor ou no Bar & Livraria Patuscada