terça-feira, 24 de setembro de 2013

EWÁ: DEUSA. DANÇA. ÂNCORA


I

venha cá, se achegue. e fale mais desse avesso. fale desse tropeço, do desaconchego desse soluço. ãh, foi susto? foi não. foi nada. é esse descompasso marcado, esse jogo viciado, esse lance de sorrir, por sorrir. essa rugosidade na pálpebra parece leveza, mas se vê que é cansaço. esse jeito de piscar sem querer, de segurar as palavras na ponta dos dentes, no fundo da língua. fale, vamos, fale! e dê cá um abraço. esqueça essa loucura de ser feliz. inventaram mentiras melhores, sabia? nenhum anjo virá pra te salvar, e o céu está mais vazio que, sei lá... pense n´algo vazio. é isso. toda força há de surgir desse ponto, desse encontro. agora, vamos, encanta-se! vire salamandra, galinha d´angola, aranha trepadeira. a vida é sempre imaginada, sabe? e só lhe trará alguma semente cósmica se partir desse ponto. encontre sua pulsação, grite e sobredeite-se. estamos juntos, sempre juntos, só em barcos diferentes. veja o mar, parece grande e inconsciente? pois seja. escafandre o céu e preencha-o com sua ausência. pronto. todo esse peso, essa câimbra, foi nós também que inventamos. perceba: há uma falha, um vão, um jeito de se completar que é só seu. dance e sobredeite-se! está vendo? há mentiras muito melhor imaginadas. e há mais verdade nisso.

II


há um lugar que é só nosso. carrego o meu há mais de quinze anos. fica entre a copa de algumas árvores. o movimento é sempre o mesmo: entreabro-as vagarosamente, primeiro com uma, depois com a outra mão. meu rosto avança entre a folhagem e os olhos se esbugalham com a luz de um horizonte inalcançável. no meu lado direito, escorrendo sobre a montanha com a elegância de uma deusa, abre-se uma tripla cachoeira. cai e se perde no mar. bolha com bolha com bolha. ao meu redor, mar, azul azul e martins pescadores. por trás das quedas pulsa uma exuberante gruta de formato triangular. dá para entrar em sua profundidade, sentir a umidade, ouvir o som cristalino dos pingos que caem lá dentro. sempre que preciso de um descanso, dormir, respirar, vou para lá. fico horas observando as penas daqueles pássaros, flutuando na queda d´água, voando no sal da brisa, esticando o mar. esse lugar não existe. o trajeto diário, que sigo de casa ao trabalho, também não existe. as pirâmides do egito, para fora de todos os cartões postais, também não existem. a geografia do mundo há de ser sempre uma ilusão perante o meu lugar que nunca existiu. e que avança a cerca um metro a cada dia. e que se afundará comigo na memória > qual âncora < em sua dança de água. 



(Foto: Sebatião Salgado, em "Gênesis")

Nenhum comentário:

Postar um comentário

DELARTE - OBRAS PUBLICADAS:

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)
Clique nas imagens e adquira os livros pelo catálogo da Editora Patuá. Também podem ser encontrados nas Livrarias Cultura e Suburbano Convicto (SP).

CRAVOS DA NOITE (contos)

O Alien da Linha Azul (poesia)

O Alien da Linha Azul (poesia)
Aquisições com o autor ou no Bar & Livraria Patuscada