quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

CANÇÃO DO AUTO-EXÍLIO


acostumamo-nos a nos acostumar com a Miséria,
a aceitar que ela é mesmo um pressuposto da vida
- econômica e séria - de um país que acontece

                               e
                              g
______________r_______________       
                      e
              m
e

e não maquia as mazelas:

hasteia na epiderme da terra
o rosto exposto da fome
e seu nome
que toda a gente lê,

menos o luis.

há corruptos saltando pelas janelas,
saindo pelos bolsos, transbordando copos
e bueiros,
brotando nas cuecas;

queria mesmo um político amarrado no quintal
para espantar as moscas, quem sabe a chuva
cínica
que desbarranca o país e espanca na lama a Moral:

animal mais extinto desta selva
de palmeiras caquéticas e sabiás gagos,
mudos e enjaulados

como todo incivil que ostenta no peito as flechas

da justiça,
da fazenda,
do estado,
da empresa,
da polícia,

menos o luis

(que está na noruega)


Um comentário:

DELARTE - OBRAS PUBLICADAS:

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)
Clique nas imagens e adquira os livros pelo catálogo da Editora Patuá. Também podem ser encontrados nas Livrarias Cultura e Suburbano Convicto (SP).

CRAVOS DA NOITE (contos)

O Alien da Linha Azul (poesia)

O Alien da Linha Azul (poesia)
Aquisições com o autor ou no Bar & Livraria Patuscada