terça-feira, 1 de novembro de 2011

CORRE MUNDO

chegamos a tempo de parar
para correr
e perguntar profundamente:

“onde mesmo queremos chegar?”

explodir o ego e espalhar seus rabiscos
por onde repisam e sangram todos os pés

dar voz ao Nós-lírico e desfazer o nó narcísico
que embrulhou a humanidade e enlaçou
no mesmo pacote solitário
a felicidade de ser único
a liberdade de ser só
o amor liquidamente a si
e em-si

afora, estamos on, somos On, e as redes foram lançadas:
já é tempo de se ligar na linha que nos ultrapassa!

- vai, vasto mundo gasto!

corre dizer às crianças que espelhos refletem mãos-de-fogo
entrelaçadas no marshmallow do globo
que abre-se e derrete para si

sussurre aos maduros ouvidos lacrados
o milenar Verso Humano

que é pajelança na Folha do índio
que é batuque no Ninho africano
que é raio no Sol do oriente
que vai parar o ocidente
e perguntar

onde mesmo
onde o Homem mesmo
onde mesmo o Homem se esconde?

e nos quatro cantos da Ponte
todo Grito vai pichar
que chegamos a tempo de parar
para correr e chegar

ONDE?                       
                         ONDE?
                ONDE?
                                            ONDE?
 





3 comentários:

  1. Muito difícil, mas fundamental, como superar o "o nó narcísico" e ficar só o "Nós-lírico"?
    Tento fazer isso escrevendo. Mesmo perdendo oportunidades como deixar de prestar serviço para a Prefeitura Municipal de Ipatinga porque não consegui aceitar o Prefeito pensar que podia dar procuração para seu filho governar a cidade e se justificando dizendo que se Deus pôs Seu Filho para o governar o mundo porque ele não poderia fazer o mesmo no município?

    ResponderExcluir
  2. Este nó narcísico é difícil desatar por amarrar as mãos do ser. E só o próprio ser pode desfazê-lo para que seja válido, pleno, verdadeiro. Mas tem que tentar, de verdade.

    ResponderExcluir
  3. Há de se tentar, há de se continuar a luta, meus caros... Cada vez mais me convenço que só o altruímos e a solidariedade podem salvar nossos destinos e dar um pouco de sentido à complexa falta de sentido da vida moderna, aliás, isso chegou ao ponto de necessidade vital, por isso temos que correr! Forte Abraço

    ResponderExcluir

DELARTE - OBRAS PUBLICADAS:

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)
Clique nas imagens e adquira os livros pelo catálogo da Editora Patuá. Também podem ser encontrados nas Livrarias Cultura e Suburbano Convicto (SP).

CRAVOS DA NOITE (contos)

O Alien da Linha Azul (poesia)

O Alien da Linha Azul (poesia)
Aquisições com o autor ou no Bar & Livraria Patuscada