sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Letra Envenenada - Edição Setembro/2011

Mesmo contra "forças ocultas", e com muito trabalho e perseverança, está nas praças de Cotia, Vargem Grande Paulista e Região, mais uma edição do Jornal Conteúdo Independente, com uma novidade: a estréia do "Caderno Cotia"!

Confira abaixo a minha coluna "Letra Envenenada" desse mês e todo o jornal na íntegra!


Baixar em PDF: http://www.4shared.com/document/n8Zuhvtg/jornalci18.html

Edição virtual:


"A VERDADE EM COMISSÃO"

E foi instituída uma comissão para se apurar a irretocável “Verdade”... Ouviu-se a voz inicial do apurador responsável, dando abertura aos trabalhos em alto e bom som:
- É mentira!
Sentados ao redor de uma enorme mesa redonda, inconfortavelmentes, deputados do nosso varonil país suavam frio... Abriu-se o secreto livro vermelho da “Revolução Democrática de 64”. Um a um os casos foram analisados.
O apurador:
- Sr. “A.”, 25 anos na época, soteropolitano. Sete unhas arrancadas com alicate.
- É mentira!, instrumento estranho ao arsenal da polícia militar...
Arquivou-se o caso. O apurador:
- Sra. “B.”, 30 anos na época, paulistana. Duzentos fios do sovaco arrancados com pinça.
- É mentira!, impossível comprovar tal contagem...
Arquivou-se o caso. O apurador:
- Sr e Sra. “C.”, 18 e 19 anos na época, cariocas. Inflamação aguda nos ouvidos por trezentas horas de ininterrupta audição da Sandejúnior.
- É mentira!, tais artistas não eram nascidos, aliás, são dois, a Sandy e o Júnior!
O apurador, plenamente convencido:
- Arquive-se!
Deu-se seguimento...
- O menor “D.”, 15 anos, origem desconhecida.  Choques elétricos, pauladas na cabeça e no interior do ânus.
- (...)
Por omissão de opiniões e ausência de método científico de averiguação, o caso foi arquivado, bem como todos que se abriram nesta mesa... Ao fim do dia, comprovou-se a irrefutabilidade do axioma revelado à luz da história íntima dos homens que, além de evocado como apoteótico encerramento da comissão, fora lavrado em todos os autos.  Dizia este em letras grandes e oficiais que, até que se prove o contrário, “A VERDADE É MENTIRA”.

2 comentários:

  1. oie,td bem?por acaso vi uma materia sua,e fiquei muito feliz de ver que esta bem!que legal ,poesia,amo demais!muito sucesso pra vc.bjssssss

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado, Paula. Forte abraço!

    ResponderExcluir

DELARTE - OBRAS PUBLICADAS:

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)
Clique nas imagens e adquira os livros pelo catálogo da Editora Patuá. Também podem ser encontrados nas Livrarias Cultura e Suburbano Convicto (SP).

CRAVOS DA NOITE (contos)

O Alien da Linha Azul (poesia)

O Alien da Linha Azul (poesia)
Aquisições com o autor ou no Bar & Livraria Patuscada