segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

CANÇÃO DO NÃO-LUGAR


Amigo é coisa pra se soltar
na gaiola e alimentar
seu sonho de liberdade.

Feito isso, partirá.

Também par
                         tido
você estará
com a sensação de que um membro fora cortado –
ele que, a ti encarnado,
você jamais pensou que lâmina estúpida
pudesse o arrancar.

Você tentará movê-lo,
sentirá uma fisgada,
e ele não estará lá.

No verão, retornará ao ninho
qual filho pródigo,
mas não lembrará
o código de se deitar.

O membro restará cortado,
e não haverá prótese que substitua
a carne que vocês compuseram
com sangue, suor e lágrima.

Um outro membro terá que surgir
alhures
tal orelha no dorso estreito
de um rato no laboratório

Mas o corpo, o anticorpo,
poderá por bem o rejeitar,
como é justo que ocorra a qualquer
estranho corpo;

e ainda que ele cante algures,
nenhures da pele o ouvirá,
pois amigo é terra de se regar
na rima leve e simples do AR...

Há de se cuidar: qualquer dia, amigo,
a gente
vai se entravar.

(Imagem - Stelios Arcadious)

4 comentários:

  1. Linda poesia, com uma feitura bem própria.
    Engraçado como não damos muita bola para este não lugar... Diz, e Ele prova, que da parte do Não Ser, Dele, tudo o que existe foi criado.
    Uma parte importante que carregamos também.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Sylvio, legal que o poema tenha conversado com você. Bastante interessante sua interpretação.


    abração, amigo!


    Delarte

    ResponderExcluir
  3. Zwill vc, metafisicamente, traduz em palavras algo que tenho sentido... Hj mesmo voltei de um não lugar e a dor no peito pela ausência, como a de um membro fantasma é presente...

    ResponderExcluir
  4. Poxa, Edê, muito legal que o poema tennha tido esse diálogo com você, mas não é nada legal esse sentimento.

    ResponderExcluir

DELARTE - OBRAS PUBLICADAS:

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)

SENTIMENTO DO FIM DO MUNDO (poesia)
Clique nas imagens e adquira os livros pelo catálogo da Editora Patuá. Também podem ser encontrados nas Livrarias Cultura e Suburbano Convicto (SP).

CRAVOS DA NOITE (contos)

O Alien da Linha Azul (poesia)

O Alien da Linha Azul (poesia)
Aquisições com o autor ou no Bar & Livraria Patuscada